Professor da UPE e presidente da Academia Pernambucana de Medicina, Hildo Azevedo referenda documento sobre a importância das vacinas

O professor da Universidade de Pernambuco (UPE) e presidente da Academia Pernambucana de Medicina, Dr. Hildo Azevedo,referendou um documento escrito pelos acadêmicos e professores Gisélia Pontes Alves, João Regis, Paulo Mendonça, João Guilherme Alves e Eduardo Jorge Fonseca sobre a importância das vacinas para uma sociedade.

Confira o texto:

VACINAS: UM BEM PÚBLICO

Desde que Edward Jenner, no final do século XVIII, demonstrou que a vacinação poderia diminuir as mortes causadas pela varíola, a sociedade humana investe na melhoria ou criação de novas vacinas. A história demonstrou claramente os efeitos benéficos das vacinas, tanto no combate à mortalidade pelas doenças infectocontagiosas - até o século XX a principal causa de morte no mundo - como na melhoria da qualidade de vida das pessoas. A vacinação foi a medida isolada que teve o maior impacto na redução da mortalidade na infância.

As vacinas, hoje, se apresentam eficazes e seguras, além de serem de fácil implementação e terem um custo que vem sendo reduzido paulatinamente. No Brasil, o Programa Nacional de Imunização (PNI), criado em 1973 pelo Ministério da Saúde (MS), tem como objetivo coordenar as ações de vacinações em todo o território nacional de forma inclusiva com o objetivo de erradicar ou controlar diversas doenças imunopreveníveis, e representa um avanço de extrema importância para a saúde pública. O PNI é reconhecido nacional e internacionalmente como uma iniciativa exitosa e adquiriu respeitabilidade e credibilidade junto à população e ao meio científico.

Entretanto, dúvidas sobre a necessidade de vacinação ou mesmo das vacinas e, principalmente, da possibilidade de desencadeamento de efeitos adversos vêm sendo propagadas por grupos minoritários que criaram um “movimento antivacina”. Esse movimento, baseado em falsas premissas, vem prestando um desserviço à saúde das populações. Doenças praticamente controladas por imunizantes, como sarampo e pólio, por exemplo, voltam a causar surtos epidêmicos em várias regiões do mundo.

A situação é tão grave que recentemente a Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou o “movimento antivacina” como uma das principais ameaças à saúde pública mundial. A pandemia COVID-19 impactou negativamente na rotina de vacinação agravando o problema, pois houve uma acentuada redução da cobertura vacinal. Em torno de 80 milhões de criança menores de um ano estão em risco de doenças como difteria, coqueluche, tétano, sarampo, pólio. Essa ruptura de campanhas de vacinações em países ricos e pobres põe em risco milhões de crianças.

Leia mais...

Poli/UPE divulga edital do curso de pós-graduação Lato Sensu 2021.1

A Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (Poli/UPE) divulga edital do processo de seleção de alunos do programa de pós-graduação lato sensu para o primeiro semestre de 2021. As inscrições acontecem até o dia 23 de fevereiro, mediante o pagamento da taxa no valor de R$ 100,00. A divulgação do resultado será no dia 26 de fevereiro. As vagas são limitadas.

São ofertadas especializações em Engenharia de Segurança do Trabalho, Ciência dos Dados e Analytics, Inspeção, Manutenção e Recuperação de Estruturas,  Energias Solar e Eólica, Higiene Ocupacional, Inteligência Artificial. Além do MBA em Tecnologia e Gestão da Construção de Edifícios. 

Mais informações: www.posgraduacao.poli.br ou pelos telefones: (81) 3184-7513/3184-7551 

Leia mais...

UPE vai receber recursos do fundo Inovar-PE para bolsas de pesquisa e projetos de extensão

A Universidade de Pernambuco (UPE) vai ter direito a receber recursos do Fundo de Inovação do Estado de Pernambuco (Inovar-PE) para financiar bolsas de pesquisas e projetos de extensão. O reforço no caixa da instituição de ensino superior que completa 30 anos de fundação em 2021 foi anunciado na tarde desta quinta-feira (7) pelo governador Paulo Câmara.

De acordo com Paulo Câmara, Pernambuco passou nos últimos anos por um processo profundo de industrialização e é preciso fortalecer este ambiente econômico com inovação. “O Inovar-PE representa uma oportunidade para estudantes e professores que pensam o futuro em ações voltadas para a ciência e tecnologia”, disse.   

Os recursos que serão liberados para a UPE são resultado da adequação da operacionalização da legislação que instituiu o fundo e a obrigatoriedade de investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação por contribuinte do ICMS beneficiário de incentivo fiscal.

A nova lei assinada pelo governador estabelece uma fonte específica de orçamento exclusivo para os recursos do Inovar-PE, que tem em caixa R$ 6 milhões. O gerenciamento de outra parcela do fundo ficará a cargo da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe). O Inovar-PE foi criado em 2013.

O governador Paulo Câmara também lançou nesta quinta-feira o Programa Pernambuco na Universidade (Prouni-PE). A ação será coordenada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e vai destinar mil bolsas de estudo, no valor de R$ 500 cada, para alunos matriculados em instituições privadas de ensino superior.

Os beneficiados devem cumprir os seguintes requisitos: não serem portadores de diploma, apresentarem renda familiar mensal per capita que não exceda o valor de um salário mínimo e meio, e terem cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou em instituições privadas na condição de bolsista integral. Os recursos serão provenientes do tesouro estadual.

A solenidade realizada no Palácio do Campo das Princesas contou com a participação da vice-governadora Luciana Santos, do secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Lucas Ramos, e do reitor da UPE, Pedro Falcão.

UPE terá R$ 3 milhões para projetos de inovação tecnológica

A Universidade de Pernambuco (UPE) vai dispor de R$ 3 milhões para financiar bolsas de pesquisa e projetos de extensão nas áreas de ciência e tecnologia voltadas para a indústria. O dinheiro será proveniente do Fundo de Inovação do Estado de Pernambuco (Inovar-PE), que sofreu modificações na sua legislação para facilitar a transferência de recursos para a UPE.

Para o reitor Pedro Falcão, o “reforço no caixa” quando a instituição de ensino celebra 30 anos de fundação representa uma oportunidade para professores e alunos e também a consolidação do Instituto de Inovação Tecnológica (IIT), que foi inaugurado em dezembro de 2018 para dar suporte ao desenvolvimento de produtos e serviços.

Os interessados deverão montar projetos e concorrer a editais, mas além dos 15 campi da espalhados no estado, o IIT terá recursos provenientes do fundo Inovar-PE por causa da sua estrutura e proposta.

O Instituto de Inovação Tecnológica abriga oito laboratórios de pesquisa e desenvolvimento alinhados aos programas de pós-graduação da UPE e às diversas demandas da indústria local e nacional: Manufatura Avançada, Energias Renováveis, Biotecnologia, Sistemas Construtivos, Optoeletrônica, Sistemas Ciber-físicos, Data Science e Telemática e Visão Computacional.

Além disto, o prédio no bairro da Várzea, situado dentro do Complexo do Parque Tecnológico de Eletroeletrônicos (Parqtel), no Recife, conta com nove laboratórios de inovação destinados à finalização de produtos e processos tecnológicos desenvolvidos nos projetos fomentados por empresas, salas de reunião, espaço de convivência, auditório e copa. O investimento na estrutura de 1,6 mil metros quadrados foi de R$ 6,5 milhões.

Pesquisadores de enfermagem da FENSG/UPE desenvolvem estudo sobre cuidados paliativos

Em tempos onde o atendimento médico está em evidência por causa da pandemia de Covid-19, quatro profissionais de saúde da Universidade de Pernambuco (UPE) estão desenvolvendo uma pesquisa que vai colaborar para a sistematização das práticas de enfermagem baseadas em evidência. Os resultados preliminares foram resumidos em um artigo publicado na revista Enfermagem em Foco, do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen).

O objetivo é identificar, na literatura médica, indicadores de qualidade para aplicação na assistência de enfermagem em cuidados paliativos. Indicadores são métricas  que podem ser expressas por razões, taxas, presença ou não de determinado fator e servem para nortear as tomadas de decisão e gestão de serviços. A partir da coleta dos dados, foram colhidos 159 estudos, publicados entre 2014 e 2018, para leitura e avaliação. 

Os pacientes em cuidados paliativos apresentam sintomas como fadiga, ansiedade, constipação, depressão, náusea, dor, dificuldade de concentração, distúrbio no padrão do sono entre outros. Esses problemas podem ser identificados pelo profissional de enfermagem que está na linha de frente no cuidado e em frequente contato com esses pacientes. O enfermeiro, assim como qualquer outra profissão, necessita de busca e atualização do conhecimento, garantindo uma assistência de saúde baseada em evidências

Existem indicadores recomendados mundialmente e nacionalmente, além de indicadores institucionais e setoriais que são personalizados. Cada serviço deve eleger os indicadores a serem aferidos que tenham papel estratégico no desenvolvimento do serviço.

De acordo com Fábia Lima - pesquisadora, enfermeira, docente da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças (FENSG/UPE), membro da coordenação da pós-graduação lato sensu em paliativos da UPE e do Comitê de Gestão da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP) - a metodologia seguida foi a de analisar fontes secundárias de estudos, sintetizando resultados nas literaturas existentes de forma sistemática, ordenada e abrangente.

Ela desenvolve o projeto em conjunto com os enfermeiros Rafaela Silva, Joicy da Hora e Anthony Gomes, da Residência Multiprofissional em Cuidados Paliativos do Hospital Oswaldo Cruz (HUOC/UPE), juntamente com a professora Deuzany Leão.  

Fabia Lima reforça que o estudo encontra-se ainda na “fase dois”. Os pesquisadores buscarão mais esclarecimentos sobre o tema, incluindo a validação do indicadores. O intuito maior é de melhorar a assistência e poder ofertar um cuidado de qualidade para o paciente e família que representam o maior foco do cuidado.

O artigo “Indicadores de qualidade aplicados na assistência de enfermagem em cuidados paliativos: revisão integrativa de literatura” pode ser acessado clicando aqui.